Depoimento n° 008 – Câncer de próstata

Depoimento n° 008 – Câncer de próstata

Antes de meu câncer ser detectado, eu não tinha conhecimento de câncer de próstata. Eu não tinha sintomas, estava indo ao médico apenas para um exame geral. Foi somente por causa da minha idade (67 anos na época) que meu médico mencionou algo sobre um exame de sangue do PSA. Decidi fazer um e, quando o resultado voltou, meu médico disse que eu deveria ir ao hospital para mais exames.

Fiz uma biópsia e lembro-me de receber uma ligação do meu clínico. Ela me disse, com muita sensibilidade, cautela e profissionalismo, que eu tinha câncer na próstata. Eu fiquei absolutamente em choque.

Felizmente, o câncer não era agressivo e, após algumas discussões, decidi fazer radioterapia seguida de terapia hormonal.

Eu tive sorte por ter sido diagnosticada a tempo. Era controlável e eu senti que esse tratamento era adequado para mim. Então, durante seis semanas, cinco dias por semana, eles marcariam minha próstata, depois eu entraria na máquina de radioterapia e passaria de dois a três minutos. Eu me sentia um pouco fraco após cada sessão e me disseram que eu poderia ter efeitos colaterais. Mas aos 67 anos, coisas como impotência não me preocupavam mais. Eu só sabia que tinha sorte, porque eu o descobri cedo. Eu senti que estava sob controle.

Após a radioterapia, fiz terapia hormonal e, desde então, volto ao meu médico todos os anos para um teste de PSA. Meu PSA agora é de 0,2 e não ultrapassou 0,4 desde que recebi o tratamento. Sinto-me muito confortável e saudável e realmente satisfeito com o andamento da minha vida.

Ao participar de um grupo de discussões no hospital, foi a primeira vez que compartilhei corretamente minha história. E foi então que percebi a diferença que falar sobre isso poderia fazer. Os homens começaram a fazer perguntas e a falar sobre ir ao médico.

Na minha comunidade, do interior do Ceará, o câncer é um assunto tabu e o câncer de próstata, por sua natureza, ainda mais. Os homens simplesmente não sabem nada sobre isso. Com o câncer de próstata afetando 1 em cada 8 homens, compartilhar minha história pode encorajar homens nordestinos a falar sobre isso.

Eu realmente acho que os homens deveriam falar mais sobre câncer de próstata. Na época quando fui diagnosticado, contei à minha família, que ficou bastante preocupada, mas não contei aos meus amigos. Porém, após minha recente conversa com o grupo, descobri como seria útil compartilhar minha experiência com outras pessoas e como isso pode incentivar outras pessoas a procurar ajuda.

Eu ainda estou muito saudável Espero permanecer saudável até o último suspiro e se puder ajudar outras pessoas contando a minha história, ficarei muito feliz e muito satisfeito.

E você, o que faria nessa situação?